Vermelho como a chuva

 

O insecto misterioso que  anuncia o Natal

 

Mwana a Muluku khanamora

epula ehitthunle

O filho de Deus não cai

antes da chuva grande começar

(Proverbio Macua Xirima- Moçambique)

 

Introdução

Eram os primeiros meses da minha estadia em Moçambique e naquela altura as novidades que se apresentavam de vez em quando chamavam muito a minha atenção. Lembro ainda muito bem a tarde em que vi pela primeira vez um insecto totalmente avermelhado que tinha aparecido numeroso logo da primeira chuva no fim de Novembro ou no início de Dezembro. A minha admiração aumentou ainda mais quando perguntei do nome daquele bichinho e logo me responderam: “Chama-se mwana a Muluku: filho de Deus”. Não escondi o meu espanto em ouvir tal nome, reacção que não ficou despercebida ao meu interlocutor, pois logo se prontificou em dar-me a devida explicação: “Não te admires disso, padre, pois Deus fala-nos indirectamente com os seus sinais” e adiantou categoricamente:

 

“Otthara enenero omòna Muluku.

Muluku kheyavo onapankaiye ya siyovene

koma sothene ti sa ekhaikhai:

nèreke wettela inenero sawe.

Seguir os sinais de Deus é vê-lo,

Deus não faz nada a toa, mas tudo tem sentido,

a nossa tarefa é seguir os seus sinais”.

Aceitei a explicação e dado que tinha já começado o Advento e a comunidade se dispunha a preparar a novena do Natal, a comparsa daquele bichinho com aquele nome infundiu-me coragem para mencioná-lo nas homilias como elemento concomitante à preparação do Natal de Jesus. Cada ano, logo que cai a primeira chuva, não perco a oportunidade de ir nos arredores à procura do mwana a Muluku.

Além disso, com o passar dos anos procurei ganhar todo o horizonte semântico deste insólito insecto, os dados principais do qual agora tento apresentar sinteticamente.

Existem pequenas variantes quando o povo macua xirima fala do mwana a Muluku. A dição mais costumeira e original é mwana a Muluku (cfr. P. Alexandre Valente de Matos, Dicionário Portuguès-Macua, Lisboa 1974, pg 416), outras menos frequentes são abreviações fonéticas: mwanamluku, mwamuluku (cfr. P. A. Pires Prata, Dicionário Macua-Português, Lisboa 1990, pg 173), o sentido fica sempre o mesmo: filho de Deus.

 

  1. Descrição biológica biográfica

1.1 Mwana a Muluku ni epula/Muluku mutthulo

O filho de Deus e a primeira chuva

Mwana a Muluku é um insecto encarnado e aveludado que aparece com as primeiras chuvas, é considerado um sinal meteorológico positivo de chuva. É chamado filho de Deus porque a “biosofia e biosfera” (cosmovisão) macua xirima crê que é Deus mesmo que o envia como mensageiro positivo de um bom ano agrícola (cfr. P. Alexandre, Dicionário 416). Ser o arauto da chuva é a sua primeira peculiaridade. Se demorar a cair, inquieta muito o camponês e se não aparecer por nada, é sinal inequívoco de calamidade.

Mwaxitthu òxera amorelaka vathi

ti mwana a Muluku mukumi.

O bichinho vermelho que cai sobre a terra

é o filho de Deus vivo.

 

Mwana a Muluku ole khanamora epula ehitthunle,

onatthuna etthaya yorirya yorumpwa.

O filho de Deus não cai antes da chuva começar,

prefere a terra fria molhada.

 

Mwana a Muluku ori ntoko kaveya:

khanìpa epula ehikhuvenle.

O filho de Deus é como a ave Kaveya,

não canta antes de se aproximar a chuva.

 

Mwana a Muluku ti muholeli a epula.

O filho de Deus é precursor/arauto da chuva.

 

Mwana a Muluku ayeveru ti mwanene epula.

O filho de Deus apesar de ser pequeno,

é o dono da chuva.

 

Mwana a Muluku ti nvelo wa epula.

O filho de Deus é a vassoura da chuva.

 

Mwana a Muluku txirope a epula.

O filho de Deus é Txirope de chuva.

(remédio principal)

 

Eruperu epula yintxipale

ariki ahimonre mwana a Muluku,

khenaye nlelo otthula.

Apesar de cair muita chuva,

enquanto não caiu o filho de Deus,

ainda não começou oficialmente o tempo da chuva.

 

Apisá omora mwana a Muluku,

epula khenrupa phama.

Se demorar a cair o filho de Deus,

a chuva não cai bem.

 

1.2  Omora — orowa, okhwa wa mwana a Muluku

            Caida e saída do filho de Deus

Por ser associado à chuva, a segunda peculiaridade do mwana a Muluku é de cair do céu e de aparecer improvisamente nas machambas ou nos caminhos e, por fim, de desaparecer improvisamente, ficando a sua morte ou a sua campa desconhecida ou melhor nas mãos de Deus, como afirma  a biosofia e biosfera xirima. Sendo um mensageiro de Deus, cumpre a sua tarefa de anunciar o novo ano agrícola com a primeira chuva, e depois regressa a Deus que o enviou. Por chegar e desaparecer improvisamente/misteriosamente, é muito respeitado, não é comido nem pisado, pois é presença benéfica nas machambas e nos caminhos.

Mwana a Muluku khanòniwa arwaka ni arowaka:

 khanasuwanyeya onakhumaiye.

Onòniwa anari vathi mmatta nari mmuseweni.

O filho de Deus não é visto a vir e a ir,

nem se sabe donde vem,

vê-se no chão na machamba ou na estrada.

 

Mwana a Muluku khanasuwanyeya onakhumaiye.

onnalipiha imatta,

niwoko onnarwa ni mirirya ni onnahokolowa ni mirirya,

ti vanto ahinkhuriwaiye.

O filho de Deus não se sabe donde vem,

fortifica as machambas,

pois chega e regressa misteriosamente,

por isso não se come.

 

Mutthu khanasuwela etthu onatxaiye mwana a Muluku:

 khantxa yowima ya mmatta.

A gente não sabe o que come o filho de Deus,

não come produtos da machamba.

 

Mwana a Muluku khenasuwanyeya ekhapuri awe

esuweliwe ni Mulukuru.

onnavithiwa ni Muluku mwanene.

A campa do filho de Deus não se conhece,

só Deus a conhece,

é enterrado por Deus mesmo.

 

Mwana a Muluku amorá

khanalekela, wakuva olakaseya,

khanapisa okhwa ntoko  mutthu òrera murima,

onnakhwa waliwene

O filho de Deus quando cai,

não demora, desaparece logo,

morre de pressa como uma boa pessoa

morre depois que se semeou.

 

Axitthu ala omala waya khonasuwanyeya

khanòneya onamalelaya.

Estes bichinhos não se sabe como acabam,

não se vê onde terminam.

 

Omwìva mwana a Muluku oruha otapana,

ti mwikho, ti witthula/ohokoloxa epula.

Matar o filho de Deus traz azar,

é tabu, é devolver a chuva.

 

Mwana a Muluku khanathelihiwa ni anamwane.

Não se manda brincar as crianças com o filho de Deus.

 

Epula khenamuhokoloxa mwana a Muluku.

A chuva não devolve o filho de Deus.

 

1.3 Oxera = ephome = omwene

            A cor vermelha purpúrea do filho de Deus

            símbolo da realeza e do sangue/vida

O terceiro específico do filho de Deus vem da sua cor purpúrea aveludada que atinge todo o seu corpo, mesmo ao esmagá-lo sai água vermelha. A cor vermelha remete a duas aplicações culturais. Em primeiro lugar, o vermelho é a cor da autoridade, o rei veste sempre ou preferivelmente um chapéu vermelho. Em segundo lugar, a cor vermelha é sinónimo de sangue que a autoridade deita para o bem do povo, sinónimo portanto de auto-imolação em favor do povo. O filho de Deus chegando todo vermelho não faz que espalhar as duas simbologias anexas a cor vermelha: ele vem, cai do céu como autoridade divina que se imola para que o povo tenha uma estação e colheita agrícola favorável. Sendo só cor vermelha/sangue, a biosofia e biosfera xirima vê nele um paradigma da mulher, de toda a semântica do sangue menstrual: morte e vida, imolação para vida.

Mwana Muluku ti mwaxitthu òxeraxa

ti mwene ontthuna oyeha ephom`awe

niwoko na muloko awe.

O filho de Deus é um bichinho totalmente vermelho

é como o rei que quer deitar seu sangue

para o seu povo.

 

Mwana a Muluku ti mwaxitthu òxeraxa:

mwene khanamwalano exapewu yoxera:

yoxera ti enenero ya omwene ni omwene ti ephome.

O filho de Deus é um bichinho totalmente vermelho:

o rei nunca se separa do chapéu vermelho,

pois vermelho é o sinal do rei: o rei é sangue.

 

Mwana a Muluku onamora asareñyene ephome:

ti pixa murima, onnàkhulela ohawela.

O filho de Deus cai cheio de sangue:

é bondoso, aceita de sofrer/imolar-se.

 

Omwìva mwaxitthu ole òxera

onakhuma mahi òxera tho.

Erutthu ya mwana a Muluku ori yoxera /ephome pahi.

Se matar aquele bichinho vermelho,

sai só água vermelha.

O corpo do filho de Deus é só vermelho/sangue.

 

Mwana a Muluku ephomeru,

ntoko ekumi ya muthiyana: ti ephomeru.

O filho de Deus é só sangue,

é como a vida da mulher que é só sangue.

 

1.4       Ehuhu – Mapuro

            O tempo e o lugar do filho de Deus

 Uma quarta característica do mwana a Muluku é de ser considerado um bicho nocturno que cai/sai/chega de noite no tempo exclusivo de Deus e dos seus intermediários. Uns textos falam da sua saída ou subida da terra húmida e fresca onde hibernava no tempo do verão frio. Mas o sentido é o mesmo, o mwana a Muluku vem do outro hemisfério como arauto de Deus. A biosofia e biosfera xirima o considera um hóspede divino que não chega de mãos vazias, mas além da chuva traz própria comida não causando transtorno algum à pessoa. Ao amanhecer é visível em toda a parte e a sua chegada é motivo de alegria e de consolação. Este hóspede meteorológico não chega só em toda a parte, mas chega cada ano em visita, pelo menos as pessoas  aguardam a sua vinda com anseio.

Mwana a Muluku ori muletto:

onnarwa ohiyu ni yotx`awe: khanùkhula.

O filho de Deus é um hóspede:

chega de noite com a própria comida,

não importuna.

 

Mwana a Muluku khanamora elimwe

onnakhuma eyita pahi,

Ehuhu ene yela yaphiyá,

annakhuma axana a Muluku antxipale.

O filho de Deus não cai no verão,

sai só no tempo da chuva,

na altura em que saem muitos filhos de Deus

 

Mwana a Muluku onlikana ni iphovo:

onnàhakalaliha anamalima.

O filho de Deus é como a primavera:

alegra os camponeses.

 

Mwana a Muluku  khanamora eyakha emosá:

mene onnamora kula eyakha:

 ti ekumi ya eyakha yothene.

O filho de Deus não cai num só ano,

mas cai cada ano: é a vida de cada ano.

 

Mwana a Muluku onnamora ilapo sothene.

 khanèmela nipuro nimosa, khanarwela onanariha

nto oririha mirima sa elapo ya vathi.

O filho de Deus cai em toda a parte:

não pára num só lugar,

não vem para estragar

mas para resfriar os corações deste mundo.

 

Mwana a Muluku elimwe onakhala vathi

onatthawa nsuwa.

O filho de Deus no verão fica por baixo da terra:

evita o sol.

 

  1. Interpretação tradicional, religiosa, civil e ética

 2.1- Mwana a Muluku epifánico, hierófano, teofano, teológico, Metereólogo de Deus!

 Todas as 4 peculiaridades do mwana a Muluku indicam a quinta como a mais central e significativa. Aos olhos da biosofia e biosfera xirima o filho de Deus é sobretudo um bicho epifánico, hierófano, teofano e teológico, é uma ponte entre o céu e a terra que permite troca de mensagens, em síntese, um paradigma intermediário que revela e ao mesmo tempo anuncia as coisas de Deus, educando, sobretudo dando o importante sinal da chegada da chuva, considerada o extremo e incontornável sinal da alegria, do sorriso de Deus para com o mundo e com a pessoa. Se o filho de Deus é filho de Deus vivo, a chuva é o nome, o atributo mais concreto e visível e reconhecido de Deus na cultura e religiosidade macua xirima. Seja o bichinho vermelho em consideração como a chuva concomitante, encontrou na semiótica macua xirima uma expressão única e análoga: o bichinho é mwana a Muluku = filho de Deus, a chuva é Muluku mutthulo = Deus inicio de chuva. Por isso todas as prerrogativas do mwana a Muluku têm uma referencia a Deus. A chuva é o dom de Deus mesmo, para o inicio dela envia o mwana a Muluku; ele vem do céu, enviado por Deus e cai na terra no tempo de Deus, isto é tempo nocturno; tudo nele é vermelho, isto é sangue de vida de Deus vivo, mãe e matriarca conforme a teologia xirima ou, conforme a biosofia e biosfera xirima, é sangue de vida da mulher. Em conclusão, o mwana a Muluku é o metereólogo, o arauto, o mensageiro, um dos inúmeros intermediários/demiurgos de Deus.

 

Sa Muluku khasinvahiwa,

mene nèreke wettela inenero sawe.

Otthara inenero t’omóna Muluku mwanene,

niwoko Muluku onnùluma ni inenero sawe.

Ekwaha etokwene onahola mwana.

Mwana a Muluku ti tthiri Mwana a Muluku mukumi,

ti enenero awe enanihusiha sa omuluku,

anyi, onnawònihera atthu othene sa Muluku

As coisas de Deus não são dadas directamente,

nós devemos seguir os seus sinais.

Seguir os sinais é ver Deus mesmo,

pois ele fala indirectamente com os seus sinais.

A grande viagem é a criança que a precede:

o filho de Deus é verdadeiramente filho de Deus vivo,

é sinal que nos ensina as coisas de Deus,

sim, mostra a todos as coisas de Deus.

 

Mwana a Muluku ti enenero ya otthuna wa Muluku.

onònihera okumi wa Muluku

ti ekhove ya Muluku ni ehotti ya Muluku.

ti namarummwa awe onalaleya mitthenka sa Muluku

O filho de Deus é o sinal do amor de Deus,

revela a vida de Deus,

é a sua imagem e a sua chegada,

é o seu mensageiro que anuncia os suas ordens.

 

Omora wa mwana a Muluku

ti okhuruwa wa mahi a wirimu.

A caída do filho de Deus é a descida da água do Céu.

 

Omora wa mwana a Muluku

ti enenero ya olupanyiwa wa erimu ni vathi.

A caída do filho de Deus é o sinal

da ligação do Céu com a terra.

 

Muluku onnahula mulako wa epula

vonirumihela Mwana a Muluku.

Deus abre a porta/cambota da chuva

enviando-nos o filho de Deus.

 

Otheya wa Muluku khonaphwaha epula.

O sorrir de Deus não ultrapassa a chuva.

(a chuva é o sorriso extremo/superlativo de Deus)

 

2.2 Mwana a Muluku capataz do camponês.

O filho de Deus vem do céu com a finalidade de convidar o camponês xirima a retomar o ritmo do trabalho agrícola, depois do período da seca, do descanso, das viagens, da caça e da pesca. O mwana a Muluku é o metereólogo de Deus que marca ao mesmo tempo o início de um novo ritmo litúrgico cósmico  e antropológico. A chuva que ele traz, leva a uma nova metamorfose de toda a natureza, em volta de uma ou duas semanas toda a panorâmica apresenta-se revestida de nova pujança e conato vital. O camponês que não sabe perceber o sentido da comparsa do filho de Deus, que não o assume como seu capataz e conselheiro, além de ser um preguiçoso, é condenado a sofrer fome e indigência.

 

Mwana a Muluku onnòperera olima ni wala,

niwoko onnaruha epula/mahi: sotxa, milala

O filho de Deus mobiliza a capinar e a semear,

pois traz a chuva/água: comida e colheitas.

 

Mwana a Muluku ti kapitawu a anamalima othene.

ti musako wa namalima

ti ikuru ni ikano sa namalima

ti ehako ya namalima eyakha eri yothene

O filho de Deus é o capataz dos camponeses,

é o cinto, a força e a sabedoria deles,

é o adivinha deles de cada ano.

 

Mwana a Muluku khanìntaka ehipa,

ti nvini wolima

ti womola ikhove sa namalima,

arukunuxaka murim’awe.

O filho de Deus não parte a enxada,

é o cabo da enxada para capinar,

tira o sono ao camponês.

 

Namalima ohinasuwela sa mwana a Muluku

onnahala ottuli ontxa oresi.

O camponês que não conhece

o que significa o filho de Deus,

é um atrasado que come a sua preguiça.

 

III. Mwana a Muluku na fermentação/metamorfose cristã

1- Cristologia

A singularidade e identidade terminológica (= filho de Deus), motórica (descida e subida ao céu), a coincidência e concomitância cronológica e estacional (início da chuva no tempo litúrgico do Advento/Natal), a cor vermelha (símbolo de realeza que se imola para o povo), todos estes elementos tornam-se catalisadores de inúmeras aplicações cristológicas. Praticamente não se trata como nos outros ensaios de aplicações aproximativas, mas neste contexto trata-se quase de identificação imediata e total, aplicando o princípio quiproquo onde a coincidência dos termos leva a explicitar a coerência e convergência entre a imagem da linguagem e evento significado.

O mwana a Muluku é a parábola e a metáfora de Jesus mesmo, por coincidência terminológica, cronológica, soteriológica, terapêutica, simbólica.

Mutano kòmòna mwana a Muluku

moyariwani mwa Yesu:

yowo tho ayariwe epula mutthulo.

Neste ano vi o filho de Deus

na altura do Natal de Jesus:

ele também nasceu na altura da chuva.

 

Vari osuwela sa mwana a Muluku

wòkhala`vo oyariwa wa Yesu.

Onde se conhece o filho de Deus,

há o nascimento de Jesus

(o aparecer do filho de Deus coincide

com o nascimento de Jesus).

 

Ntoko Yesus siso mwana a Muluku

onnamora eyakha eri yothene, Muluku mutthulo.

Como Jesus, assim o filho de Deus

cai cada ano ao início da chuva.

 

Omora wa mwana a Muluku

 ti  ovuluxiwa w`atthu othene (epula).

Oyariwa wa Yesu Kristu atthu othene àvuluwa.

A caída do filho de Deus

é a salvação de todas as pessoas (chuva).

Com o nascimento de Jesus Cristo

todas as pessoas são salvas.

 

Mwana a Muluku txirope a epula.

Oyariwa wa Yesu Kristu ti openuxiwa w’atthu othene.

O filho de Deus é remédio eficaz da chuva,

o nascimento de Jesus é cura universal.

 

Mwana a Muluku khanòniwa arwaka ni arowaka:

nto Yesu àhorwa elapo ya vathi,

vaholo àtthikela w`Atith`awe

va maithoni va ohuser’awe.

Do filho de Deus não se sabe a chegada nem a ida.

Jesus porém veio nesta terra

e por fim regressou ao seu Pai

aos olhos dos seus discípulos.

 

Mwana a Muluku mwekristuni

ti ephome Yesu aniyehelenlaiye.

Na fé cristã o filho de Deus

é o sangue que Jesus Cristo deitou para nós.

 

Mwana a Muluku ti enenero ya Yesu Kristu:

okhwa ni ovinyerera wawe.

O filho de Deus está como sinal de Jesus Cristo:

da sua morte e ressurreição.

 

Mwana a Muluku t’onakhuruwa wirimu:

enahima wera Yesu akhumme Wirimu.

khavara etthu ahirummwale ni Muluku.

O filho de Deus desce do céu:

significa que Jesus desceu do céu

e não fazia nada sem ter sido mandado por Deus.

 

Yesu Kristu ori mwanene okhala mwana a Muluku.

Jesus Cristo é verdadeiramente o filho de Deus.

(filho de Deus em sentido exclusivo).

 

Mwana a Muluku onnamora

wera atthu erukunuxe murima emuttharaka Yesu.

O filho de Deus cai

para que a pessoa se converte seguindo Jesus.

 

Mwana a Muluku onrwa onisuweliha savaha sa Muluku,

Yesu Kristu arwiye onisuweliha omwene wa Muluku.

O filho de Deus vem para nos notificar os dons de Deus,

Jesus veio para nos anunciar o reino de Deus.

 

Mwana a Muluku mwaxitthu yoxera yole

ti enenero yorwa ya epula

Yesu, Mwana mmosaru a Muluku,

ti enenero yorwa wa Omwene wa Wirimu.

O filho de Deus, aquele bichinho vermelho,

é sinal da vinda da chuva,

Jesus, o único Filho de Deus,

é o sinal da vinda do reino de Deus.

 

Mwana a Muluku ti yotxa ya erutthu ahu,

Yesu Kristu ti yotxa ni yowurya ya minepa sahu.

O filho de Deus é a comida do nosso corpo,

Jesus Cristo é a comida e a bebida dos nossos espíritos.

 

2- Moro ni ephome – Fogo e sangue pentecostal

O facto que o filho de Deus desce do céu com a chuva e se apresenta todo vermelho, lembra ao cristão xirima a descida do Espírito Santo no dia da Pentecostes.

 

Mwana a Muluku onnakhuruwa wirimu kula eyakha

ti enenero yokhuruwa Munepa Wottela

O filho de Deus desce do céu cada ano,

é sinal da descida do Espírito Santo

 

Mwana a Muluku khanamora epheyo ehòpiye:

ti orwa wa Munepa wottela.

O filho de Deus não cai sem vento:

é a vinda do Espírito Santo.

 

Mwana a Muluku amorá

 atthu analapuwa eyakha yothene:

mkristu womukhuruwelaya Munepa Wottela,

onnalapuwa ephareya yoxera ya ekum’awe,

sawasawa aanamwane a Israeli vamosá ni Moisesi

Se  cai o filho de Deus,

a gente atravessa favoravelmente todo o ano:

o cristão depois de ter recebido o Espírito Santo

atravessa seguramente o mar vermelho da sua vida,

como os filhos de Israel com Moisés.

 

Mpuwani mwekristuni mwaxitthu ole yoxera,

ori enenero ya moro wa Munepa Wottela

Dentro do cristianismo aquele bicho vermelho

é o sinal do fogo do Espírito Santo.

3 Katekese, katekumenado, masakramenti – Catequese, Catecumenado, Sacramentos

O facto de o mwana a Muluku preanuciar e também acompanhar a primeira chuva, torna-se para o cristão xirima um paradigma para a catequese inserida no ritmo do ano litúrgico que metaforicamente inicia com a chegada do mwana a Muluku. Assim o mwana a Muluku é  ícone do catequista e do catequizando, enquanto a chuva é a recepção dos sacramentos.

 

Mwana a Muluku ti muholeli a epula,

Yohani Mbatiza ti muholeli a Yesu,

ni arummwa a Yesu ti aholeli awe vothevene.

O filho de Deus é precursor da chuva,

João Baptista é o precursor de Jesus,

os apóstolos são os precursores dele em toda a parte.

 

Mukereja mwana a Muluku ori ntoko nvanjelista.

Na igreja o filho de Deus é como um evangelista.

 

Mwana a Muluku khanamora epula ehitthunle

ti enenero ya ekatikese

mkatekumeni ètteleke toko

atthuná wakhela obatizo ni omusuwela Yesu,

Mwana mmosaru ni a ekhaikhai a Muluku.

O filho de Deus não cai antes da chuva começar

isto é sinal da catequese:

o catecúmeno tem que a frequentar

se quer receber o baptismo

e conhecer Jesus o único e verdadeiro Filho de Deus.

 

Mwana a Muluku khanamora epula ehitthunle

epula ti enenero ya masakramenti:

obatiso, olipiha, okaristya, olapa

O filho de Deus não cai sem ter começado a chuva:

a chuva é sinal dos sacramentos:

baptismo, crisma, eucaristia, confissão.

Avaliação final

1- A descrição biológica do mwana a Muluku com as respectivas interpretações a nível cultural e religioso é um dos inúmeros exemplos de como o mutthu xirima (pessoa xirima) vê o seu mundo e o interpreta contemplando-o inserido no sistema das suas coordenadas culturais e culturais. Ao ver o mwana a Muluku o ocidental exclama: olha que bonito! O vê desligado e estante em si, sem o relacionar nem o interpretar nas várias implicações cósmicas e antropológicas. O mutthu xirima pelo contrário não o vê só, mas ao mesmo tempo que o contempla simbiótica e osmoticamente, sente logo a imediata necessidade de o reler e entender em conexão com os fenómenos concomitantes e sincrónicos chegando a significativa formulação metafórica de extrema síntese: aquele bicho vermelho é filho de Deus. A biosofia e biosfera (cosmovisão) xirima é radicalmente religiosa, teológica, no sentido que fala de Deus namúlico (materno-matriarcal) em todos os momentos e ocasiões.

2- Como o mwana a Muluku, assim também a chuva que ele anuncia, traz e acompanha, é outro teologumeno, até se torna o atributo mais frequente nas orações do mutthu xirima no tempo em que espera a vinda da chuva e no tempo a seguir. O Deus namúlico é suplicado para que a chuva não demore a chegar, para arrefecer os corações e a cara da terra, para que a chuva seja de paz em sintonia com ritmo do trabalho, seja prevalentemente chuva nocturna e não diurna, em suma não seja chuva de guerra com relâmpagos, trovões, inundações que causam quedas das casas e outros estragos. Sendo a chuva o elemento vital básico que renova e revigora tudo e todos, a biosofia e biosfera xirima não hesita minimamente em chamar a chuva Muluku mutthulo: Deus que da chuva/inicio chuva.

3- No encontro com o kerigma cristão a troca de dons é superlativa devido a identidade terminológica, cronológica e teológica. Esta permitiu a ponte entre o metafórico e o real, entre o visível e o invisível, entre o presente e o ausente, entra a linguagem narrativa e o evento histórico.

 

Giuseppe Frizzi, IMC

centroxirima@gmail.com

 

Tags: No tags

Leave a Comment